Páginas

Leipzig


Berço e morada de talentos em diversas áreas                       fotos by: Ira
Marktplaz
Fachada do prédio da antiga Bolsa de Valores
     A cerca de 2 horas de viagem de Berlin (em trem ou ônibus), Leipzig, maior cidade da Saxônia, é um dos destinos perfeitos para passeios de um dia, tipo bate-e-volta. Pareceu-me surpreendentemente pequena para a fama que a precedia em textos sobre história e artes, especialmente música e literatura, e que a fizeram grande na minha imaginação.
Estátua em homenagem a Goethe
Estátua em homenagem a Bach
     Não é para menos, grandes talentos lá nasceram ou viveram, como Johann Sebastian Bach, Johann Wolfgang Von Goethe, Richard Wagner, Felix Mendelssohn-Bartholdy, Robert Schumann, Edvard Grieg, Gustav Mahler e Friedrich Nietzsche. 
     A Universidade de Leipzig foi fundada no século XV e é a segunda mais antiga da Alemanha. Entre outros destaques em diversas áreas que lá estudaram, consta o nome da atual chanceler Angela Merkel.
     A cidade foi importante entreposto comercial e rota de comércio nos tempos medievais. É possível conhecer seus principais pontos de referência a pé, começando pela Marktplatz, no Centro Histórico, rodeada por pátios e galerias. Dizem que a cidade é bastante chuvosa e que esse tipo de arquitetura, com passagens cobertas, favorece os comerciantes, que assim podem exercer seu ofício abrigados e continuam a receber seus clientes sob qualquer tempo.
     

     Em uma dessas arcadas, a Mädlerpassage, encontra-se um dos mais famosos restaurantes do mundo, o Auerbach’s Keller (Taberna Auerbach), frequentada por Goethe que, inclusive, ali ambientou alguns episódios de seu drama Fausto






     Logo na entrada, fazem guarda em ambos os lados duas grandes esculturas de Fausto e Mefistófeles e, no interior, as paredes são ornadas com grandes painéis retratando cenas da obra.








Vista posterior da Thomaskirche
     
     Ponto alto de uma visita a Leipzig é a igreja de São Tomás (Thomaskirche), local em que Bach compôs grande parte de sua obra, ensinou, regeu e foi diretor do Coro de Meninos até sua morte, em 1750. O coro se mantém até hoje e é um dos mais famosos do mundo. Ao lado, funciona o Museu Bach.

Parte frontal da Thomaskirch
          Nas proximidades, na igreja luterana Nikolaiskirche (de São Nicolau), Bach compôs grande parte de sua obra enquanto exerceu as funções de diretor de coro e organista por quase 30 anos. O local também foi palco para as pregações reformistas de Martinho Lutero e, recentemente, transformou-se em estopim de acontecimentos importantes da história contemporânea.
Foi ali que, após os cultos de segunda-feira, a partir de outubro de 1989, as pessoas começaram a se reunir e sair pelas ruas em protesto pacífico contra o comunismo, movimento que atingiu outras cidades próximas, até culminar com a queda do Muro de Berlin e a extinção da RDA.
Augustplatz
Por praças, parques e jardins, chega-se à Augustplatz, onde estão os prédios da Ópera e da Sala de Concertos (que abriga a maior orquestra profissional do mundo), que até hoje apresentam espetáculos para fazer jus aos músicos famosos que viveram na cidade.
Ao fundo, Sala de Concertos
Ópera


 ---]
Dicas:
Mais sobre Alemanha neste blog:
Taberna Auerbachs Keller (www): 



Salamanca


Portais dourados x estudantes                                                   fotos by: Ira


Gosto de chegar numa cidade desconhecida e dar a ela um ou dois dias para que me vá revelando seus aspectos únicos. 
Salamanca está acostumada com as levas de estudantes que chegam do mundo inteiro atraídos por suas famosas faculdades. Entre os motivos de encantamento, dois se destacaram de imediato para mim: o sobretom dourado meio misterioso que recobre os prédios e as casas (aquela cor de um pôr-de-sol prolongado), e as inscrições meio estranhas que se vê nas fachadas. Percorrer as ruas é quase ir lendo um catálogo antigo.

A cidade é capital da província de mesmo nome, na região de Castela e Leon.
Sua Plaza Mayor é o eixo ao qual estão ligadas as passagens que levam a todas as direções. 
Tem a mesma configuração conhecida de outras cidades espanholas, um quadrilátero com arcadas e, sob estas, cafés, bares, restaurantes, alguns esparramando-se em mesas nas proximidades.

As Catedrais – Nova e Velha – estão entre os atrativos mais visitados. A fachada principal da nova Catedral, de estilo gótico, foi construída entre os séculos XVI e XVIII. Já a Velha Catedral, ao lado, tem estilo românico e foi construída no século XIII.
          

     A Universidade de Salamanca é a mais antiga da Espanha e uma das mais antigas da Europa. No número 7 da rua A Latina, viveu Beatriz Galindo, professora da rainha Isabel, a Católica, e primeira mulher que estudou naquela universidade. 
      Com o apelido de Latina, ela vestia-se de homem para frequentar as classes, pois tal não era permitido às mulheres na época.

Na Gran Via, uma das principais ruas da cidade, traçada no início do século XX, observa-se também as fachadas de pedra dourada. Esta pedra arenosa é proveniente da região. Inicialmente de cor branca, mas, à medida que o tempo passa ela vai endurecendo e adquirindo uma cor dourada.


A Ponte Romana, sobre o rio Tormes (afluente do Douro), que corta a cidade, fazia parte da Calçada Romana da Prata. 
Possuía 26 arcos, sendo os 15 mais próximos da cidade ainda da época romana. Os demais foram reconstruídos. 



A Casa Lis (museu de Art Nouveau y Art Déco) funciona em um antigo palacete construído no início do Século XX e é o museu mais visitado da região. A construção com galeria de ferro e cristal abriga uma imensa coleção de artes decorativas. 


Café/bar, único local onde é permitido fotografar



É uma pena não poder fotografar suas salas com móveis de época, pinturas, esculturas em porcelanas, vidros, bronze, jóias, coleção de bonecas e brinquedos.


          





     A Casa das Conchas é também um dos prédios mais visitados em Salamanca. Trata-se de um palácio do século XV que tem a fachada decorada com centenas de conchas. Hoje é uma biblioteca pública.





---]
Dicas:
Site oficial Turismo Salamanca
Museu LIS -  (Art Nouveau) - 
---]