Páginas

Calais/Dover


Caminhos da Literatura                            foto by: (www)
          Atravessar o Canal da Mancha num barco          partindo 
de Calais, na França, até Dover, na Inglaterra, foi uma das idéias que germinaram na minha imaginação desde quando li Os Três Moqueteiros, de Alexandre Dumas. 
          Sem contar a carona no dorso do cavalo de d’Artagnan (sou capaz de ouvir ainda hoje o ruído dos cascos e o tinir das espadas nos confrontos nas estalagens pelos caminhos até chegar no porto), já havia feito duas vezes antes essa travessia num ônibus.
          Deixei para outra oportunidade o trem rápido que cobre o percurso pelo Eurotúnel. Aliás, para quem está interessado em velocidade, a dica é comprar os bilhetes com bastante antecedência, visto que os preços são inversamente proporcionais. Escolhi desta vez um ferry-boat, diante da falta de coragem para enfrentar o mar num barco a vela. Preparei um roteiro básico com informações da internet.                                   foto by: (www)
Porto de Calais
          
          
          Parti de Paris (Gare du Nord) cedo da manhã e cerca de duas horas depois desci na estação Calais-Ville
          Ao lado tem uma parada de ônibus local que leva ao Calais Terminal Marítimo. Comprei bilhete no próprio terminal de ferry, passei pela imigração e embarquei.
Travessia do Canal da Mancha (Calais/Dover)

          
         


          Atravessar os 33 km que separam a França da costa inglesa levou em torno de 75 minutos. Naquele dia o mar estava especialmente agitado, o barco chocava-se com força contra as ondas, deu até um medinho. 
          Não contive a curiosidade e subi ao deck, queria muito apreciar a chegada, ver as falésias brancas de Dover (White cliffs of Dover), cujo porto pode ser avistado desde a França em dias claros.



          

          Juntei-me a uma turma de adolescentes que inventaram de brincar deixando-se levar pelo vento de um lado a outro do convés. 
          Rimos bastante e tiramos fotos que, obviamente, ficaram horrorosas. O sobrevoo das gaivotas acompanhando o barco deu um toque de poesia àqueles momentos. 


White cliffs of Dover
                                                 foto by: (www)


          
          Vislumbrar os paredões brancos de calcário que dão particular característica às praias quando nos aproximamos do estreito de Dover, foi especial.



          É uma vista magnífica que encanta milhares de pessoas do mundo inteiro. Pontuado pelos penhascos brancos, o porto de Dover teve papel histórico importante, servindo por muitos anos como porta de entrada para a Grã-Bretanha. Foi graças à proximidade entre os continentes que a região de Kent é pródiga ainda hoje em castelos, palácios e museus, mais do que qualquer outra na costa inglesa.
          Lamento demais não ter pesquisado antes sobre ambas as cidades portuárias (que adoro). Calais e Dover têm muitas atrações que perdi por não ter reservado um dia ou dois para conhecê-las. Esta é uma daquelas lições para o futuro: “há mais numa viagem do que apenas o destino”. Fiz um roteirinho básico para garantir a travessia, esqueci de aproveitar o que tinha pelo caminho.
          Com os olhos espichados, avistei ao longe, no alto de um penhasco, o Castelo de Dover, construído pelos normandos por volta do ano 1181. Outra atração local é o Farol, construído pelos romanos, provavelmente o mais antigo prédio da cidade e que ainda continua a servir de guia para os navegantes.
          Depois de passar pela imigração inglesa, peguei um ônibus local para ir do terminal Docas até a cidade, na Priory Station (perdi o primeiro que passou por não encontrar moedas em libras esterlinas, o motorista recusou a chorada e não aceitou euros). A cada 30 minutos saem trens para Londres, o trajeto é feito em torno de duas horas e dá para escolher onde descer: Charing Cross, Victoria Station e St. Pancras.
---
Dicas/experiências:
Turismo: (www);
Porto de Dover, site oficial: (www)
---

5 comentários:

  1. Adorei! Por causa das falésias brancas, os romanos chamaram a ilha de "Albion", mais tarde denominada de "Pérfida Albion" por Ximenes, diante das atitudes da realeza durante a guerra do ópio.
    Laís Legg

    ResponderExcluir
  2. Oi, obrigada pela dica, adorei.

    ResponderExcluir
  3. Olá Ira...
    entrei aqui e gostei das dicas. Estou para ir passar o final de ano em Londres e fiquei curiosa sobre a imigração.
    Precisamos pegar visto para entrar no país ou só o passaporte?
    agradeço desde já.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi,
      para entrar como turista é só o passaporte mesmo (e o carimbo de entrada vale por 180 dias. No restante do Espaço Shengen é 90 dias). É bom ter em mãos documentos que sustentem sua intenção de retornar ao Brasil. Nas três ou quatro vezes que passei pela imigração inglesa, eles (são meio chatinhos), ficam fazendo um monte de perguntas. Boas viagens!

      Excluir
  4. Olá, parabéns pelo post.

    Adorei a menção aos Três Mosqueteiros, eu também desde garoto sonho com essa travessia.

    Atravessar de ferryboat é prático, mas quais são as opções de travessia de barcos? Se souber me ajudará muito no planejamento de minha viagem.

    Obrigado.

    ResponderExcluir